Tradicionalismo ou Cristo?

animal-man-2011-019-003

“Portanto, não deixem que ninguém os condene pelo que comem ou bebem, ou por não celebrarem certos dias santos, as cerimônias da lua nova ou os sábados. Pois essas coisas são apenas sombras da realidade futura, e o próprio Cristo é essa realidade. Não aceitem a condenação daqueles que insistem numa humildade fingida e na adoração de anjos e que alegam ter visões a respeito dessas coisas. A mente pecaminosa deles os tornou orgulhosos, e eles não estão ligados a Cristo, que é a cabeça do corpo. Unido a ele por meio de suas juntas e seus ligamentos, o corpo cresce à medida que é nutrido por Deus” – Colossenses 2:16-19, NVT

Em seu labor ministerial, o desejo do apóstolo Paulo era proclamar a Palavra de Deus não somente para salvação, mas também para que os crentes fossem apresentados maduros diante de Cristo. Isso significa que Deus espera de nós crescimento, amadurecimento, aprofundamento na Sua pessoa e na Missão que Ele nos deu, contudo, pelo caminho da Sua graça.

No primeiro século, ocasião em que Paulo escreveu Colossenses, a igreja lutava contra várias heresias, pois o cristianismo estava começando e ataques à verdade vinham de todos os lados. Com a igreja de Colosso não seria diferente, e eles estavam sendo tentados a confiar em regras religiosas para a santidade e não em Jesus Cristo somente, como confiaram para a salvação da suas almas.

Os falsos mestres insistiam – e condenavam os crentes – que mesmo recebendo a salvação anunciada pelo Evangelho, os crentes deveria continuar com rituais alimentares, festas religiosas e outras observações estipuladas pela lei. No entanto, Paulo mais uma vez procura libertá-los por meio da exposição da Verdade, mostrando que todas essas coisas foram boas, tiveram a sua época e lugar na história da salvação, mas que eram apenas sombras que apontavam para Cristo, e, que, uma vez que Ele já tinha vindo e consumado a obra, as sombras passaram.

Modernamente muitos de nós criamos “rituais” próprios, o tradicionalismo. Quando fazemos isso “caímos da graça”, não no sentido de “perder a salvação”, porque isso não existe (para os verdadeiramente salvos), mas de perder tempo em viver de um modo que já passou, pois a nova aliança é Cristo, Ele é a realidade eterna que nunca passa. Devemos confiar nEle do que em qualquer comportamento.

As mudanças de comportamento são uma consequência da luz que está dentro dos cristãos, luz que nos ajuda a lutar e vencer o pecado que ainda está em nós e tão tenazmente nos persegue, como diz o livros de Hebreus e que nos muda de dentro para fora, uma vez que nenhuma mudança poderá vir do exterior para o interior.

Nosso interior primeiro precisa ser tocado pelo Espírito de Cristo, Ele precisa infundir luz divina em nós, Vida verdadeira, fé, desejo por Deus e Sua Palavra, somente assim vamos lutar contra o pecado por dentro – em nossos pensamento, sentimentos e vontade – e por fora – em nosso comportamento.

Do contrário, tentar mudar comportamento não é conversão, é confiar em qualquer outra coisa que não seja o Evangelho de Jesus Cristo.

E você, como tem lidado com as mudanças que precisam acontecer na sua vida, pela tradição ou pela graça de Deus?

Pr. Leandro Hüttl Dias

aos-pes-da-cruz-oracao
“Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte” – 2 Coríntios 12:10.

2 comentários em “Tradicionalismo ou Cristo?

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: